O amor acabou?

O casamento foi instituído por Deus para ser eterno, sendo assim, Ele oferece o Seu amor – que é capaz de sustentar os mais difíceis relacionamentos.

Fiéis até a morte no casamento

"Até que a morte os separe”. Aqueles que estão casados, certamente já ouviram esta frase ou outra semelhante que, proferida com solenidade, veio interligada à declaração de “marido e mulher”, por ocasião dos sagrados momentos de seu enlace matrimonial.

Amando sempre

É muito bom aprendermos a valorizar o que realmente sustenta a vida a dois – o amor. Pois, as colunas que elevam e sustentam o casamento são as palavras, gestos e atos de amor.

Casamento bem - sucedido

Casamento é algo Sagrado, de lealdade entre ambos, é uma parceria. É muito sério, é aliança e amor eterno, porque o Senhor determinou assim.

Divórcio, por que?

Você está se alegrando com o divórcio como se tivesse alcançado uma vitória? No entanto, já se esqueceu que um dia você prometeu amor eterno e fidelidade a esse que hoje está sendo execrado.

17 de novembro de 2014

A mulher virtuosa perdoa!!


O perdão é de vital importância num relacionamento familiar. é impossível viver bem no nosso lar, se o perdão não for praticado entre todos os membros da família.

Quando perdoamos, sacrificamos o nosso eu, e deixamos Cristo aparecer em nossas vidas! O perdão é uma atitude de obediência a palavra de Deus. É difícil perdoar? Com certeza que é, mas devemos contar com a ajuda e a graça do Senhor.

Vou contar uma experiência que tive há uns anos atrás:
A minha melhor amiga que também era cristã, e que convivia comigo e com o meu esposo quase todos os dias, me confessou um dia que estava apaixonada pelo meu esposo, e ainda me disse mais, que estava torcendo que eu morresse para que ela ficasse com o meu esposo.

Amada, na hora que ela me contou isso, levei um choque muito grande!! Fiquei muito magoada com ela, pois ela tinha traído a minha amizade e desejava até a minha morte!!

Fiquei com aquela mágoa o dia todo em meu coração, foi horrível!
Como que a mágoa pode destruir um coração!! E eu sabia que mesmo ela tendo errado comigo, o meu dever como mulher cristã, era de perdoá-la. Mas eu não conseguia! Fiquei o dia todo com aquele sentimento ruim em meu coração.

Quando chegou a noite em que meus filhos e meu esposo já estavam dormindo, eu me ajoelhei nos pés da minha cama, e comecei a orar, a chorar, me lembro que chorei muito diante do Senhor, pedindo para que Ele me ajudasse a perdoar. E depois das minhas súplicas, fui dormir.

Amada, quando eu acordei de manhã, sabe o que aconteceu? Eu não estava mais com raiva dela, e nem magoada, eu havia perdoado ela!! Não tinha mais ressentimento nenhum em meu coração, eu estava limpa!! E ainda tem mais; a tarde me encontrei com ela, a abracei, e lhe disse que ela estava perdoada, e ali nós duas choramos e nos abraçamos.

Com este meu testemunho, quero dizer a você que talvez não esteja conseguindo perdoar alguém, que não é impossível perdoar, mesmo que seja pecado de traição, pois como o Senhor me fez perdoar, quando eu achava que era impossível, assim Ele também pode fazer você perdoar. Mas você precisa reconhecer que também está errada em não perdoar, e pedir, clamar a Deus por este perdão, e com certeza Ele tirará toda mágoa de seu coração, pois Deus não faz acepção de pessoas.

E ainda tem mais: Se não perdoarmos, Deus também não nos perdoará!! "E, quando estiverem orando, se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem-no, para que também o Pai celestial perdoe os seus pecados. Mas, se vocês não perdoarem, também o seu Pai que está nos céus não perdoará os seus pecados".  (Marcos 11:25-26)

Jesus foi o nosso maior exemplo, mesmo sendo perfeito, foi traído e morto, mas antes o que Ele disse? "Pai perdoa-os, pois eles não sabem o que fazem". Que possamos seguir os passos do nosso Senhor, e perdoarmos, pois quem de nós, não têm pecado? 

Que Deus te abençoe, em Cristo Jesus, nosso Senhor!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus

5 de novembro de 2014

Mãe, são os pequenos detalhes que fazem a diferença!


A paz de Cristo queridas!! Ontem ao colocar a minha filha Rebeca de 7 anos para dormir, ela me contou que tinha tido dois sonhos em que eu a abraçava, e que ela no sonho desejava que eu a abraçasse mais, mas eu no sonho não dava mais abraços nela.

Fiquei meditando nestes dois sonhos dela, eu poderia achá-los bobos e nem dar ideia, mas foi ao contrário. Deus me amostrou que eu a estava abraçando muito pouco, e que ela estava sentindo falta de mais abraços.

Amadas, pode parecer bobagem, mas são esses pequenos detalhes que podem ir afastando nossos filhos de nós. Aí quando eles chegam na fase da adolescência, ou quando estão adultos se tornam frios e distantes de nós, e não sabemos o por que!

Não digo que seja só abraços que os nossos filhos precisam, mas no caso da minha filha, são eles que estão faltando na minha relação com ela.

Para que venhamos saber e sermos sensíveis no que está faltando no nosso relacionamento com os nossos filhos, precisamos gastar o nosso tempo com o Senhor, através das orações, dos jejuns e principalmente com a leitura da palavra de Deus que tem resposta para tudo. Por isso amadas, é que creio que foi Deus quem usou minha menina para me despertar em relação aos abraços, pois tenho pedido a Ele que me mostre o que está faltando no meu relacionamento com meus filhos. E a falta de abraços em relação a ela, poderia com certeza afetar o nosso relacionamento de mãe e filha.

Corremos o dia todo, mas será que estamos correndo por algo que ficará para a eternidade?

Será que os nossos filhos, vão poder dar um bom testemunho de nós, quando estiverem crescidos? 

Que possamos meditar em nossas próprias vidas, e sermos sensíveis para sabermos no que precisamos mudar como mães!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus



22 de outubro de 2014

Mãe, o que você faz quando batem no seu filho?


A paz queridas!! Hoje quero compartilhar este texto maravilhoso do site: http://www.mulherespiedosas.com.br/.

Espero que edifiquem vocês, assim como me edificou e me esclareceu!!

Quantas de nós já precisamos lidar com uma situação parecida? Sua menina de três aninhos é mordida na escola, ou volta da classe de EBD com o bracinho vermelho: ela foi empurrada pelo coleguinha. A primeira reação que uma mãe tem é de acolher e consolar sua pequena. A segunda é querer saber quem fez aquilo, ansiando por justiça! 

Às vezes, inclusive, a ordem dos sentimentos é alterada. Quem teria a coragem de maltratar minha bebê tão dócil e frágil? Essa criança não tem mãe? Onde estava a professora que não viu isso acontecer? 

Todas estas e muitas outras perguntas e indagações se aninham no coração da mãe ao ver seu filho injustamente machucado.
"Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus". (1 Cor 10:31)

Como somos alertadas pela Palavra de Deus, todos os nossos pensamentos, desejos, sentimentos e ações devem ser voltadas para a Sua glória! E você acha que isso se refere apenas a coisas “espirituais”? 

Não! O próprio texto citado acima usa como exemplo os gestos mais básicos do nosso dia- a- dia: comer e beber! Nas atitudes mais cotidianas precisamos buscar a glória de Deus, nos perguntar como podemos dar testemunho da nossa fé e sermos sal e luzeiro deste mundo. Não precisamos esperar grandes e memoráveis situações para agirmos assim. 

Não devemos achar que provar a nossa fé é um ato reservado apenas para momentos de grandes provações, em que teremos que sofrer pelo Evangelho e talvez, um dia, darmos nossa vida por ele. Podemos ir treinando nas pequenas situações da vida, onde SIM, também nos é exigida uma vida de santidade e provas da nossa fé. 

E quer momento melhor para refletir a luz do Evangelho do que quando seu filho é agredido? Tantas coisas estão em jogo, tantos pecados vêm à tona num acontecimento tão cotidiano quanto este, que podemos nos assustar!

Em primeiro lugar, devemos analisar o nosso próprio coração. Talvez ele esteja permeado por idolatria e sequer saibamos. Identificaremos a idolatria em nós mesmas, no momento em que pecarmos porque pecaram contra os nossos! Se a nossa primeira atitude é uma atitude de ira, autocomiseração e justiça própria (“que vontade de esganar aquele moleque!”), já temos aí um ídolo erigido contra o qual precisamos lutar: o bem estar de nossos filhos a qualquer custo. Não entender que pecar contra Deus porque pecaram contra nossos pequenos é idolatria, é um sério risco que corremos.

Nossos filhos são pecadores também, lembra? E como pecadores estão inseridos num mundo de pecado, cheio de outros pecadores. Isto significa que nossos pequenos estão expostos a todo tipo de desgraça que o pecado trouxe sobre a humanidade: morte, doenças (algumas muito graves), inimizades, agressões, injustiças. Você acha mesmo que conseguirá proteger seu filho das adversidades a que estão expostos? 

Lembre-se que ele nasceu num mundo contaminado pela praga do pecado. Será que temos exagerado na busca da proteção deles? Será que temos tanto medo de que algo ruim aconteça com eles que estamos dispostas até mesmo a pecar para manter o status de “são e salvo” de nosso filho? Estas perguntas merecem um profundo questionamento a nós mesmas!

Não estou querendo dizer, entretanto, que você não deva cuidar ou proteger seus filhos de perigos e dores. Não é esse o ponto. Você DEVE protegê-lo, foi chamada para isso! Se seu filho foi agredido na escola, por exemplo, procure a professora e converse com ela, evite deixar seu filho brincar com aquela criança que você sabe que é agressiva, troque-o de turma se for o caso. É lícito tomarmos atitudes para tirarmos nossos pequenos de situações que podem provocar dor a ele. Mas a questão que gostaria que você analisasse é a do coração. Como lidar com acontecimentos que você não foi capaz de evitar, é o assunto deste artigo!

Convivemos com uma natureza caída: a nossa, a do nosso filho e a do coleguinha!

Esta é a primeira coisa que devemos ter em mente quando nos deparamos com uma bochecha mordida! Nosso filho é pecador, e isso quer dizer que ele pode ter provocado a situação que culminou em agressão. Mas se ele é totalmente inocente neste episódio, lembre-se que não é inocente em todos! Em algum momento seu filho também já foi (ou com certeza ainda será), o agente que causou dor física ou emocional em outra criança. Algumas delas não são de bater, mas são mestres em levar outras crianças ao extremo da ira!

Certa vez presenciei uma situação que ilustra bem o que estou querendo dizer. A filha de uma amiga minha, de três anos, foi convidada para uma festinha infantil. A festa era linda e a aniversariante, vestida de princesa, sussurrava ao ouvido da amiguinha: “essa festa não é sua, é minha! Você nem tem um vestido de princesa como o meu… essa festa é MINHA, não é sua”

A filha da minha amiga, que é uma pimenta, ouviu a primeira e a segunda provocação. Na terceira, já aos prantos (afinal a festa não era dela e ela não tinha um vestido de princesa!!), deu um empurrão na aniversariante que se pôs a chorar inconsolável. Pense na situação! Ninguém exceto eu, que estava bem ao lado, havia visto a cena toda. Para todos os efeito, a filha da minha amiga deu um empurrão na pobre e doce princesa! Ninguém havia visto os requintes de maldade e o prazer da pequena ao dizer à colega que ela não era a dona da festa. 

Percebe como nem sempre temos todos os dados para fazer um julgamento correto? A filha da minha amiga estava errada e pecou por se irar e empurrar a menina. Esta por sua vez, pecou ao sentir prazer em menosprezar a criança que não era a estrela da noite! Ambas precisavam ser corrigidas e admoestadas a abandonar seus pecados. Apenas pais muito atentos e preocupados serão capazes de perceber estas nuances e agir de modo sábio e bíblico, não sendo uma “Alice no país das maravilhas” achando que seu filho nunca tem culpa de nada e é sempre vítima de alguém.

Mas e se, de fato, meu filho for a vítima?

Eu sei bem como é a situação de uma criança que agride outra de graça, sem ter acontecido absolutamente nada que gerasse a agressão. Para meu desespero, meus dois filhos mais velhos passaram pela terrível fase de morder, e quando o faziam, era apenas porque tinham vontade e não porque eram provocados! É fato que situações assim acontecem, e como você deve reagir quando seu filho foi agredido sem ter culpa no cartório? Será que, aí sim, te é permitido dar largas à sua ira e agir com justiça própria? Antes de tratarmos do coração do nosso filho que sofreu a injúria, precisamos tratar do nosso! Como eu encaro os sofrimentos neste mundo, como eu me vejo diante de Deus, com quantas armas defendo os meus direitos em detrimento do que a Bíblia fala, são conceitos que farão toda a diferença no meu modo de agir. 

Não se engane minha irmã, tudo que você aprende com as pregações de seu pastor, com o que você lê na Bíblia e em outros livros cristãos, todo o corpo de doutrinas que você tem aprendido, precisam ser usados nas situações mais corriqueiras de sua vida. Para isso serve a Palavra de Deus. 

A Bíblia não é formada por conhecimentos intangíveis, que não têm nada a ver com a minha vida diária! Todas as grandes doutrinas do Evangelho devem ser postas em prática na nossa vida, devem pautar a maneira que encaro o mundo a minha volta, devem ser a minha regra de viver diário! Não podemos separar as grandes doutrinas do Evangelho do beliscão que meu filho levou na escola. Precisamos fazer estas conexões o tempo todo. E mais: precisamos ensinar estas grandes verdades, aplicadas ao cotidiano, aos nossos pequenos. Se não for assim, alguma hora ele desejará deixar de lado estes ensinamentos tão bonitos, mas que não têm aplicação nenhuma em sua vida. 

O Evangelho é vida! Tiago nos ensina isso de forma taxativa: “Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo?” Tiago 2.14. A prática das boas obras testificam a nossa fé! Uma vida de prática daquilo que a Bíblia ensina, demonstra ao mundo de forma gritante em que nós cremos.

Dito isso, pergunto a você: Por que muitas vezes, ao verem seus filhos serem agredido, os pais fomentam a ira em seus próprios corações e nos corações de seus filhos? Por que os pais não optam por perdoar e ajudar os pais que estão tendo dificuldade com seus filhos? Por que adultos preferem ensinar as crianças a revidar os ataques sofridos? Por que se recusam a obedecer ao Evangelho neste quesito específico?
Ensiná-los a sofrer injúrias, sofrer o dano.

Em I Coríntios 6, Paulo trata de contendas e litígios entre irmãos e diz que só haver estas contendas, já era completa derrota para eles. Ir a um tribunal de ímpios, para que fosse julgada uma causa entre irmãos, então… seria vergonhoso. No final desta advertência ele diz que entre levar a causa a tribunais injustos e ficar no prejuízo, os crentes deveriam optar pela segunda alternativa: “Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano?” (verso 6). 

Paulo não está ensinando neste texto que não podemos ir à justiça, pleitear nossos direitos. A questão é quando fazer isso traz dano ao Evangelho. Se fazer sobressair a sua causa justa, for em alguma medida prejuízo ao Evangelho, você deve optar por sofrer o dano!

Na sociedade que vivemos hoje, a palavra de ordem é: “meus direitos!”. Estamos dispostos a tudo para fazer valer nossos direitos. Ficar no prejuízo, sair perdendo, ser lesado, ficar com a pior parte é simplesmente impensável. Ser agredido e não revidar, ser ferido e não pagar na mesma moeda? Nunca! Somos ensinados por este século a nos estimar a tal ponto, que somos capazes inclusive de pecar para defender a nossa honra e os nossos direitos. Mas Jesus agiu de forma completamente diferente. Ele é o nosso modelo, a Ele devemos imitar e seguir!

Se você pretende que seu filho seja um seguidor do Evangelho de Cristo, que seja um crente fiel às Escrituras, comece plantando desde cedo em seu coração os grandes princípios nela contidos! Ensine-o a sofrer pelo Evangelho. Ele será escarnecido e zombado na escola por seu honesto e diferente procedimento. Ensine-o a não se importar com o que os outros pensam dele, mas com o que Deus pensa a seu respeito. 
Ensine-o a não dar valor demais à aceitação que ele pode ou não ter dos amiguinhos, isto não o tornará melhor. Seu valor não está na popularidade que alcança na escola, mas em ser um filho obediente e temente ao seu Deus. Incentive-o a perdoar e a buscar reconciliação, mesmo quando o causador da contenda não for ele.

Ajude-o também a orar pela criança que o agrediu. Não é assim que a Bíblia ensina? “…amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.” Mateus 5.44-48. 

O que me espanta é porque pais crentes ensinam seus filhos a revidar e a detestar o coleguinha que os feriu, para mais tarde ensiná-los a dar a outra face, a não revidar as ofensas. 

O que os faz pensar que a Lei de Deus é uma para os pequenos pecadores e outra para os pecadores já crescidos? Onde a Bíblia nos autoriza a ensinarmos nossos filhos a revidar ofensas, a detestar? 

Deveríamos ensinar a nossos filhos que dias piores virão, dias em que talvez eles tenham que dar a vida por amor ao Evangelho como fez Estevão, Pedro, João Batista e tantos outros mártires que pagaram um alto preço por sua fé. Começar por ensinar que o mundo não gira em torno deles e que sofrer uma agressão injusta não é a pior coisa que pode acontecer a alguém, é um bom começo para prepará-los para os sofrimentos que a vida de um crente fiel pode trazer.

Reafirmo o que disse acima: Você pode e deve proteger seu pequeno de crianças que o maltratam, mas COMO você fará isso é a questão. Como você pastoreará o coração de seu filho quanto ao que aconteceu fará uma grande diferença para seu futuro! Será que numa situação destas você agiganta os sentimentos dele de auto-piedade, do quanto ele é bonzinho e o colega mau? 

Será que você tem nutrido no coração de seu filho sentimentos de amargura e vingança contra aquela criança? Ou ao contrário, tem procurado minimizar o acontecido, explicando a seu filho que ele ainda enfrentará muitas situações parecidas? Será que você tem incentivado-o a orar pelo coleguinha e a buscar reconciliação, quando possível? Será que você tem auxiliado-o a lutar contra a sensação de que ele só será feliz se todos o tratarem muito bem, e se ele for amado por absolutamente todos a sua volta? 

Você tem ensinado seu filho a lidar de forma santa com a rejeição? Treine-o a pensar e a viver de acordo com as Escrituras desde a tenra idade! Ensine-o a colocar em prática desde muito cedo as grandes e poderosas verdades do Evangelho, ensine-o a viver por meio dEle! 

forma você estará treinado-o para ser um valoroso servo de Deus, que pauta tudo o que faz, sente e pensa pela única regra de fé e de prática que nos revela quem Deus é e o que exige de seus filhos: A sua santa Palavra!

Bem amadas, este é o texto tirado do site mulheres piedosas, tenho a certeza que aprendemos um pouco mais de como devemos nós e os nossos filhos devem se comportar, e em meio a este mundo mal.
Que Deus nos abençoe cada dia mais, para fazermos somente a sua vontade, amém?

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus


20 de outubro de 2014

O que Deus pensa da fofoca?


Primeiro vamos ver o que significa fofoca:

significa bisbilhotice, mexerico. A fofoca consiste no ato de descobrir uma informação sobre alguém e posteriormente contar essa informação a uma ou várias pessoas.

Por ocasião da nossa conversão a Jesus, deixamos os “grandes pecados” como por exemplo, mentir, roubar, beber, enganar, uso de drogas, etc. Começamos a passar nosso tempo com nossos novos amigos, falando a respeito de nosso Senhor, sobre as nossas vidas e sobre o que acontece à nossa volta. 

Pensamos sobre tudo isto de um modo completamente inofensivo. Mas, observemos a coisa um pouco mais de perto! 

Quantas vezes essas conversas estão cheias de julgamentos, de boatos, de “ouvi dizer”... escondidos cuidadosamente atrás de um sorriso cristão?

Você sabia que a Bíblia fala muito sobre fofoca? E não se trata de um “pequeno pecado”, como muitos de nós pensamos. Na bíblia está escrito: “...a boca perversa, eu odeio” (Prov. 8:13). 

Deus nos ordena: “Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo.” (Lev. 19:16). Ele também diz: “...aprendam também a andar ociosas de casa em casa; e não só ociosas, mas também paroleiras e curiosas, falando o que não convém.” (I Tim. 5:13). E no Salmo 101:5, Deus diz: “Aquele que murmura do seu próximo às escondidas, Eu o destruirei.” 

Deus é da opinião de  que pessoas tagarelas não O reconhecem, estando entregues aos seus pensamentos corrompidos. Ele equipara pessoas difamadoras com aqueles que não merecem confiança, como assassinos e aborrecedores de Deus. Ele continua, dizendo que aqueles que fazem tais coisas, sabem que merecem a morte. Mas isso não os impede de continuar a fazê-las e até a animar outras a praticá-las. (Rom. 1:28-32).

Além disso as fofocas  não precisam ser obrigatoriamente mentirosas. Muitos pensam: “O assunto é verdade, por isso posso contá-lo a todos.” Mas isso não está certo! Dizer a verdade com falsos motivos pode ter efeito ainda mais funestos do que falar a inverdade. A seguinte definição de “fofoca” deixa isso claro: Falar algo de alguém é fofoca, quando o que é dito não contribui para a solução do problema da pessoa em questão.

Nós não somente ouvimos fofocas como também as espalhamos. 


Quando passo adiante algo que eu deveria ter ficado para mim, normalmente o justifico com as palavras: “Precisamos de qualquer maneira orar por fulano ou sicrano, ele tem o seguinte grave problema...” Na verdade, não oramos, mas falamos bastante sobre o assunto. Geralmente, sempre é muito interessante ficar sabendo das últimas histórias sobre uma pessoa ou uma obra.

Quando somos ofendidos por alguém ou vemos que alguém vive em pecado, temos que ir a essa pessoa e não a nenhuma outra! (Mat. 18:15-16). Se alguém vive em pecado, que valor teria, falar a respeito dele a outros? O que os outros irão fazer a respeito? Ao invés disso, é nossa tarefa reconduzir o irmão ou a irmã à comunhão com Deus. Você poderia mostrar-lhe o ponto escuro em sua vida, que o Senhor gostaria tanto de purificar. Se a pessoa não der ouvidos, então deve-se dar outros passos. “Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado.” (Gal. 6.:1)

Transmitir a outros nossas mágoas e amarguras e ouvir quando eles falam das suas, é outra área em que devemos ser bem cuidadosos. Se alguém feriu seu amigo, e este lhe falar da sua dor, provavelmente você ficará ofendido por causa do seu amigo. Então você se sentirá ofendido e, talvez, fique bravo com a pessoa que fez tal coisa ao seu amigo. Mais tarde, é possível que os dois se reconciliem, e tudo será perdoado e esquecido. Mas um problema permanece: Você continua amargurado!

Uma briga causada por um pequeno incidente, pode ter conseqüências  muito amplas e estender-se por muito tempo, dependendo de quantas pessoas tomam conhecimento dela. Veja ... é completamente injustificável envolver outros em suas mágoas. Não temos  o direito de ir até o outro, exceto até Deus e àquele que nos ofendeu.


A diferença entre aconselhamento e fofoca

Muitas vezes, fofocas e difamações são camufladas como “aconselhamento espiritual”. Nada existe de condenável no aconselhamento espiritual, se realmente for falado a um conselheiro espiritual. Um conselheiro espiritual é um crente maduro, que a exorta à uma vida espiritual e à reconciliação, que aponta o seu pecado na situação que está sendo analisada! Ele não exagera a importância da questão e não fica logo ofendido pessoalmente. A ele interessa principalmente a vontade de Deus, não a sua.


Na maior parte das vezes, nem procuramos seriamente uma solução quando falamos com alguém sobre um problema, mas somente um ouvinte compassivo, que também defende nosso ponto de vista. Parece-nos indiferente, quantas divisões provocamos, enquanto pudermos atrair mais pessoas para o “nosso lado”

Na bíblia está escrito:
“Estas seis coisas o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que maquina pensamentos perversos, pés que se apressam a correr para o mal, a testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.” (Prov. 6:16-19)

Muitos de nós pensamos que somente ouvir uma fofoca não é tão grave quanto espalhá-las. Mas isso não é verdade! Deus diz: “O ímpio atenta para o lábio iníquo, o mentiroso inclina os ouvidos à língua maligna.” (Prov. 17:4).

Em I Samuel 24:9, Davi exorta a Saul: “Por que dás tu ouvidos às palavras dos homens que dizem:  Eis que Davi procura o teu mal?” 
Sim, por que lhes damos ouvidos?! Por que estamos tão rapidamente dispostas a acreditar no pior? 

Na Bíblia está escrito: “[o amor] tudo espera” (I Cor. 13:7). Porque não respondemos educadamente mas decididamente: “Desculpe, tenho a impressão que você está contando algo, que eu nem deveria ouvir. Você deveria contá-lo ao Senhor e àquele a quem se refere, mas a mim não.”


Algumas exortações desse tipo, mataria a maior parte das histórias de mexericos. Ao menos, elas impedirão as pessoas de virem até você com sua conversa fiada. Talvez, assim também as estimule uma vez a pensar sobre coisas mais importantes do que os assuntos de outras pessoas. 

A Bíblia nos adverte claramente sobre o envolvimento com fofocas: “O que anda tagarelando revela o segredo; não te intrometas com o que lisonjeia com os seus lábios.” (Prov. 20:19)

“Mas eu vos digo que de toda palavra ociosa que os homens disserem, hão de dar conta no dia do juízo.” (Mat. 12:36). Em cada palavra que dizemos, tomamos uma decisão. Ou nos decidimos a glorificar a Deus ou a entristecê-lo, rebelando-nos contra sua palavra; “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação...” (Ef. 4:29).


Freqüentemente, não levamos a sério a ordem de Deus para controlar nossa língua. Trata-se, entretanto, de uma das características de um crente maduro. Tiago diz: “Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã.” ( Tiago 1:26). Sabemos que o coração é enganoso mais do que todas as coisas (Jer. 17:9), e assim seria fácil justificar desse modo nosso comportamento errado.

Conclusão: Fofoca e difamação, são instrumentos de Satanás. Ele sabe que se conseguir dividir-nos e fazer com que lutemos entre nós, estaremos muito ocupados para lutar contra ele. Temos que parar e pensar, antes de falar! Deveríamos decidir em nosso coração, nunca mais dar ouvidos a fofocas ou espalhá-las! Isso é possível pela graça de Deus e através da nossa decisão de fazer a escolha certa! Talvez você tenha que pedir desculpas a alguma pessoa. Talvez seja preciso revelar amarguras e curá-las. Vá primeiro a Deus e deixe Ele ordenar seu coração! Ele também lhe dará forças para fazer o restante. Então, vamos guardar nossos ouvidos e nossas línguas, amém?

Fiz alguns acréscimos, mas o texto original é do site:
http://www.palavraprudente.com.br/

Que Deus continue nos moldando a cada dia se levanta!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus














15 de outubro de 2014

Você costuma consultar ao Senhor, antes de tomar qualquer decisão?


Nós como servas de Deus, temos que tomar muitas decisões no nosso dia a dia, não é mesmo?

São decisões relacionadas com nossos maridos, com os nossos filhos, em relação ao governo da casa, e outras decisões mais.

E será que durante a essas tantas decisões, nós consultamos ao Senhor, e perguntamos a Ele como devemos agir em cada situação apresentada?

Não podemos, como servas do Senhor, tomarmos nenhuma decisão ou atitude sem perguntarmos a Ele. Temos como exemplo o rei Davi, ele sempre perguntava ao Senhor se poderia sair ou não a guerra. E Deus sempre prosperava o seu caminho.

Podemos também nos lembrar, que a única vez que Davi não consultou ao Senhor, foi quando ele adulterou com Batseba, e o que aconteceu, mesmo depois que ele se arrependeu? Toda a sua família foi atingida pela consequência do erro dele.

Então amadas, vamos consultar ao Senhor em qualquer coisa, decisão ou atitude que pensarmos em fazer. Porque só o Senhor sabe o que é melhor para nós, não é mesmo?

Pois através de um erro nosso, toda a nossa família será atingida, e com certeza esse não é o desejo do nosso coração!!

"Há caminhos que ao homem parece direito, mas o fim deles é a morte”. ( Pv 14:12)

Que Deus abençoe a ti e a toda a sua família!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!


Mulher Virtuosa de Deus

8 de outubro de 2014

Como proteger seu filho do mundo


Hoje eu venho compartilhar com as amadas um texto que recebi da página "Mães unidas em oração".

Como edificou a minha vida, também espero que edifique a sua vida, querida irmã. Bem, o texto diz assim:

"Não podemos permanecer ao lado de nossos filhos 24 horas, e nem deveríamos desejar isso, já que nossos filhos terão que viver no mundo com todos os seus perigos e dissabores.

Mas, por meio da nossa oração, Deus estará com os nossos filhos quando não pudermos estar com eles. Através de uma oração intercessora, os ajudamos a serem mais semelhantes a Cristo, e os livramos de muitos males.

É impossível impedirmos que os filhos cresçam longe da realidade que os cerca. O próprio Jesus não pediu a Deus que removesse seus seguidores do mundo. Neste caso Jesus se refere ao mundo como um sistema decadente e sem fonte de referência para criar nossos filhos.

A função que temos como mães, muito se assemelha a forma que Jesus cuidava de seus discípulos e orava por eles. Muitas das vezes, a mãe bem intencionada age de uma forma super protetora, como se pudesse isolar seus filhos do mundo, mas isso não é possível, pois o mundo é um sistema, e não um lugar.

Jesus não orou para que seus seguidores fossem retirados do mundo, mas para que eles fossem livres do mal.
Devemos orar por proteção espiritual, emocional e física de nossos filhos. A melhor maneira de expressar o verdadeiro amor é cobrir suas vidas com a nossa oração. Pela oração trazemos os céus sobre a cabeça de nossos filhos, buscamos o melhor para eles diante do trono de Deus e levamos também às necessidades deles ao Senhor.

Enquanto intercedemos por nossos filhos, desenvolvemos sabedoria e habilidades dadas por Deus para educá-los de uma forma mais adequada e eficaz, pois nossas orações vão aproximar os nossos filhos do Senhor. Charles Spurgeon ao falar sobre oração, ele a chamava de “o pequeno nervo que move os músculos da onipotência”.

A oração amorosa de uma mãe pode mudar qualquer realidade difícil. Ser mãe é uma tarefa que se aprende diariamente e é como navegar sempre em águas desconhecidas.

Como poderemos saber o que fazer? Quem tem as respostas? Deus é claro!! Quando oramos, Ele sempre nos revelará o que precisamos saber e o que precisamos fazer. Deus é o nosso Pai celestial e também é o Pai de nossos filhos e sempre saberá o que fazer quando não sabemos. Ele sempre terá uma saída, uma solução e a palavra certa para nos revelar através da oração.

Muito mais do que o papel de gerar, alimentar e financiar conhecimento, a nossa fundamental tarefa é conduzir filhos parecidos com Cristo. Orar por nossos filhos é o maior e mais eficaz investimento que podemos fazer para seu futuro. Aprenda também a orar por seus filhos usando a Bíblia como inspiração, já que a Palavra de Deus é viva.

Orar por seus filhos é a maior e mais profunda prova de amor que você pode dar a eles. É melhor do que uma festa de aniversário e brinquedos. Não que isso não seja importante, mas o maior e valioso presente que podemos dar a eles é a nossa intercessão que gerará neles um futuro sólido, grandioso e com raízes profundas em Deus.

Precisamos não somente ser mães, e sim, mães espirituais. Dessa forma, estamos trazendo a existência para a vida de nossos filhos e sonhos ilimitados de Deus para eles. Deus sempre fará a eles muito mais além do que poderíamos pensar ou sequer imaginar, por isso a melhor forma de amar nossos filhos é orar por eles, os entregando sempre aos planos perfeitos de Deus".

Bem, este acima é o texto. A oração é o princípio para pedirmos ao Senhor a proteção Dele para os nossos filhos, mas sabemos que também temos que ler com eles a palavra, temos que jejuar, temos que ter sabedoria, e principalmente dedicação e amor.

Que Deus coloque cada dia mais este desejo em nossos corações, para que venhamos criar filhos para o reino dos céus.

Que Deus te abençoe, e a toda a sua casa!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus








6 de outubro de 2014

Como reagimos com os erros dos nossos filhos?


Infelizmente muitas mães tem o costume de só olharem os defeitos de seus filhos. Na verdade é mais fácil prestarmos atenção nos defeitos dos outros, do que nas virtudes. 

 Amada, não é bom que isso aconteça em relação aos seus filhos, pois agindo assim, você só vai desanimá-los. Como nós eles também erram, e como nós eles também têm virtudes, não é mesmo? 

O primeiro passo é prestar atenção para momentos em que seus filhos se comportam da maneira correta. Então comece a elogiá-los e a abençoá-los, incentivando-os a sempre agirem da forma correta. 

Você pode usar o elogio como uma ferramenta para ajudar a mudar o comportamento difícil, e substituí-lo com o comportamento desejável.
Diga a seus filhos que você e Deus estão felizes com eles!!

Com certeza com o tempo, seus filhos gostarão de receber mais elogios do que críticas.

Nunca se esqueça, que nos momentos em que seus filhos agirem erradamente, você nunca deve proferir a eles palavras de maldição, como: idiota, burro, você não tem mais jeito, ou outras palavras piores, pois as palavras tem poder para abençoar e para amaldiçoar, e tenho a certeza que você mãe cristã não quer amaldiçoar seus filhos, não é mesmo? 

Quando eles errarem, lembre-os de seus acertos, e de como Deus e você ficam felizes com eles quando praticam coisas boas. E que querem sempre o melhor para eles. Lógico que não vamos passar por cima dos erros de nossos filhos, mas também não devemos deixar de elogiá-los em suas virtudes.

Conclusão: Elogie e incentive seus filhos a praticarem boas virtudes, pois nós carecemos todos os dias das misericórdias do Senhor, assim como nossos filhotes também!!

Que Deus te abençoe amiga querida!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus






3 de outubro de 2014

Regras são essenciais para a família


Hoje quero deixar uma dica do site "Bom caminho", este texto foi escrito por Greg Harris, e ele compartilha como colocou regras em seu lar. Sabemos que todo lar precisa de regras, eu particularmente achei todas ótimas, por isso já estou preparando-as aqui para minha casa. Se você gostar, aplique-as também em seu lar. Então, vamos ao texto?

As 21 Regras desta Casa

As 21 Regras desta Casa, listadas abaixo, cobrem praticamente todas as situações comuns às crianças e adolescentes. Elas foram criadas há mais de 30 anos para ajudar a mim e a minha esposa a sermos mais consistentes naquilo que cobrávamos de nossos filhos como membros da nossa família. 

É tão fácil permitir que nossos humores mudem os limites do que nós toleramos de um dia para o outro. Em muitas casas a única verdadeira regra é ficar fora do caminho do papai e da mamãe quando eles estiverem de mau humor. Caso contrário, quando eles estão de bom humor, as crianças podem ficar impunes com quase qualquer coisa. 

A meta no uso das 21 Regras é esclarecer o que é agradável e desagradável aos pais, independentemente dos seus humores, e administrar disciplina sem ira, e apenas em resposta ao desafio voluntário da criança àquilo que ela sabe ser o certo.

Meu filho mais velho, Joshua Harris, atualmente um pastor e autor respeitado, ilustrou cada regra de casa para um livro para colorir quando ele tinha apenas 14 anos. Nós o publicamos com sucesso por muitos anos. Cópias usadas ainda podem ser encontradas ocasionalmente disponíveis através do site Amazon.com. Eu publico-as aqui em resposta a muitos pedidos de famílias com filhos mais jovens.

As 21 Regras desta Casa

                                            por Gregg Harris

Nós obedecemos a Deus.
Nós amamos e honramos uns aos outros e oramos uns pelos outros.
Nós contamos a verdade.
Nós colocamos os interesses da família à frente dos nossos.
Nós falamos serena e respeitosamente uns com os outros.
Nós não magoamos uns aos outros com palavras ou ações indelicadas.
Quando alguém precisa de correção, nós o corrigimos em amor.
Nós sempre perdoamos.
Quando alguém está triste, nós o confortamos.
Quando alguém está contente, nós nos alegramos com ele.
Quando temos alguma coisa agradável para compartilhar, nós compartilhamos.
Quando temos trabalho para fazer, nós o fazemos sem reclamar.
Nós cuidamos bem de tudo aquilo que Deus nos deu.
Nós não geramos trabalho desnecessário para outros.
Quando abrimos alguma coisa, nós a fechamos.
Quando tiramos alguma coisa do lugar, nós guardamos de volta.
Quando ligamos alguma coisa, nós desligamos.
Quando fazemos sujeira ou bagunça, nós limpamos ou arrumamos.
Quando não sabemos o que fazer, nós perguntamos.
Quando estamos fora de casa, nós agimos da mesma maneira como se estivéssemos em casa.
Quando desobedecemos ou esquecemos quaisquer das 21 Regras desta Casa, nós aceitamos a disciplina e admoestação do Senhor.

Instruções: Publique a lista na porta do refrigerador ou em outro local proeminente em sua casa. Quando um mau comportamento ocorrer, chame atenção para qual Regra da Casa foi quebrada e repita a regra algumas vezes e explique o que ela significa. Quando o significado ficar claro, discipline seu filho diante de qualquer expressão de desafio deliberado. Com o tempo, as regras serão internalizadas por cada filho como uma declaração geral dos limites do comportamento. 

Lembre-se que estas regras seguem o seu filho onde quer que ele vá. A disciplina só deve ser administrada em particular, em amor à criança, nunca com raiva ou de qualquer forma que venha a trazer dano. O desafio é ser consistente de forma que tal disciplina, por fim, já não seja mais necessária.

Fonte: http://www.bomcaminho.com/

Que Deus vos abençoe em Cristo Jesus!!

Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus

2 de outubro de 2014

Testemunho de uma mulher virtuosa: Jean Fleming


Hoje eu vou escrever um pouco sobre a vida de uma mulher virtuosa, um exemplo de vida para nós mulheres cristãs. É sobre Jean Fleming!!

Jean Fleming é missionária tanto em casa como fora do lar. Ela compartilha sua fé corajosamente, e considera uma prioridade o discipulado de outras mulheres cristãs e conduz estudos bíblicos.

Ela ativamente apóia o ministério de tempo integral do marido, freqüentemente abre a sua casa para a hospitalidade cristã e serve na sua igreja local. Tanto em casa como país afora, ela cuidou de parentes tanto física como mentalmente debilitados por longos períodos. Os Flemings criaram três crianças e agora desfrutam seu papel como avós. Em meio a tudo, Jean escreveu vários livros e artigos.

Ela foi convertida no final da adolescência. Bem discipulada desde o começo, Jean prosperou numa dieta espiritual forte em disciplinas como leitura, estudo e meditação na Palavra de Deus, oração, comunhão, serviço, evangelismo, adoração, sossego e solidão, manter um diário e memorização da Bíblia. Ela sentia seu progresso espiritual quase diariamente. Tudo isso continuou depois que ela casou com seu igualmente-dedicado marido, Roger.

Então ela tinha três crianças com fraldas. Cuidar das necessidades mais básicas das crianças acabou com quase cada minuto de tempo que ela dedicava ao cuidado da sua alma. Seu desejo pelas coisas de Deus eram maiores do que nunca, mas seu tempo e energia tinham novas e fortes limitações, por causa de seus três filhos. E será que Jean reclamava de seus filhos?

Então veja como a Jean falou a jovens mães em situações semelhantes. Na verdade, o que ela falou foi: "Nesta época da sua vida, você não pode fazer o que está acostumada a fazer. Você não tem tempo para tudo que seu coração deseja experimentar em sua vida espiritual. Apesar disso faça o que você pode fazer, mesmo que seja muito pouco. Só não se engane pensando que você pode adiar sua vida devocional até que tenha mais tempo. Porque quando os anos passarem e você finalmente tiver mais tempo, seus hábitos espirituais estarão tão enferrujados que você não prestará mais atenção nenhuma à sua vida devocional."

Jean conta sua própria história. Ela mantinha Bíblias abertas em vários cômodos da casa: na cozinha, no quarto dos bebês, no banheiro, e ela olhava para elas quando podia. Enquanto esquentava uma mamadeira ou trocava uma fralda, ela dava uma olhada e talvez lesse somente um versículo. Mas esta disciplina lhe ajudava a manter a Palavra no coração e a presença de Deus na consciência. E à medida que as necessidades das crianças tornaram-se menos exigentes, suas disciplinas já estavam no ponto de receber qualquer tempo adicional que ela pudesse dar. Embora a Jean se sentisse quase espiritualmente dormente durante esses anos em comparação ao seu crescimento anterior como cristã, ela manteve viva as disciplinas espirituais pelas quais a alma dela floresceria nos anos que viriam.
Como a Jean com três crianças usando fraldas, você pode estar numa situação que reduz muito das suas atividades espirituais. Você pode estar olhando para muitos meses ou até mesmo anos de tais limitações. Faça o que você pode. Deus não nos ama mais quando fazemos mais, nem menos quando fazemos menos. Ele nos aceita, não por causa do que nós fazemos para Ele, mas por causa do que Ele fez por nós em Cristo.
A Bíblia diz: "Ele nos tornou aceitáveis no Amado" (1)[quer dizer, Jesus] (Efésios 1:6), e nada "poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor." (Romanos 8:39). 
Ame a Deus e, dentro das limitações que Ele soberanamente colocou na sua vida neste momento, faça o que você pode. Pois tudo tem um tempo determinado pelo Senhor.
Que este pequeno, e ao mesmo tempo maravilhoso testemunho de vida da nossa amada irmã Jean Fleming possa ter edificado a sua vida, como edificou a minha. Como tenho seis filhos quero fazer o que ainda não posso, pois nós que temos filhos pequenos temos que priorizar o cuidado com eles.
Que Deus vos abençoe amadas virtuosas, em nome de Jesus!!






29 de setembro de 2014

Mãe, Deus tem atendido suas orações?


Amadas mamães, sabemos que é de vital importância as nossas orações por nossos filhos, não é mesmo?

E Deus, será que Ele quer ouvir e atender as nossas orações? Cremos que sim!!

Mas por que será, que algumas vezes Ele não nos atende, e nem age em nossas vidas, e na vida de nossa família?

Pode ser que :

*Estejamos afastadas do Senhor, sabemos que o pecado nos afasta de Deus, não é verdade?
Não somos perfeitas, mas também não podemos viver na prática do pecado. A palavra do Senhor diz que:  "A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos." (Tiago 5:16b)

E para nós mães, o que é ser justa? Ser justa, é praticar a justiça, praticar o que é correto, praticar a vontade de Deus para as nossas vidas.
Bem, se estamos vivendo uma vida buscando a vontade do Senhor para nós, e nos desviando do mal; então por que o Senhor ainda não operou?

Pode ser que: 

*Ele esteja provando os nossos corações e a nossa fé, para ver se realmente vamos perseverar, ou se vamos murmurar  e desistir de lutarmos.

Pode ser que:

*Ainda não seja o tempo Dele, pois o tempo é de Deus, e não nosso.

Amadas mães, nunca desistam em primeiro lugar de fazer a vontade do Senhor para as suas vidas, e de se santificarem, para que as suas orações sejam ouvidas,  também nunca desistam de lutar pelas vidas de seus filhos, pois ter os nossos filhos na presença do Senhor, também é a vontade Dele. E no tempo certo o Senhor agirá.

Que Deus te abençoe, e seja feita a vontade Dele em sua vida, amém?

25 de setembro de 2014

A mulher que trabalha de boa vontade em seu lar


Esta semana eu estava preparando uma postagem para o blog, e a televisão da minha casa estava ligada, meus filhos estavam assistindo ao jornal hoje. Aqui em casa não assistimos muito televisão, somente este jornal e o fantástico, pois os outros programas não nos edificam. Mas quando chegou o momento das propagandas, confesso para as irmãs que me choquei, talvez a maioria das mulheres não perceberam, e até acharam boa a propaganda.

É a propaganda do novo frango fácil sadia. E diz assim na propaganda:

"Hoje em dia agente não tem tempo para descongelar o frango, nem para preparar o tempero, muito menos para deixar marinando, por isso a sadia reinventou o frango assado, chegou o frango fácil, tem um saco especial que vai direto do freezer para o forno, e já vem marinado para ficar mais suculento..."

Bem, talvez você ainda não tenha percebido o por que que fiquei tão chocada!!

Vamos para a palavra?

"Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis.
O coração do seu marido está nela confiado; assim ele não necessitará de despojo.

Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida.
Busca lã e linho, e trabalha de boa vontade com suas mãos.
Como o navio mercante, ela traz de longe o seu pão.

Levanta-se, mesmo à noite, para dar de comer aos da casa, e distribuir a tarefa das servas.


Examina uma propriedade e adquire-a; planta uma vinha com o fruto de suas mãos.

Cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços.
Vê que é boa a sua mercadoria; e a sua lâmpada não se apaga de noite.

Estende as suas mãos ao fuso, e suas mãos pegam na roca.
Abre a sua mão ao pobre, e estende as suas mãos ao necessitado.

Não teme a neve na sua casa, porque toda a sua família está vestida de escarlata.

Faz para si cobertas de tapeçaria; seu vestido é de seda e de púrpura.
Seu marido é conhecido nas portas, e assenta-se entre os anciãos da terra.

Faz panos de linho fino e vende-os, e entrega cintos aos mercadores.
A força e a honra são seu vestido, e se alegrará com o dia futuro.
Abre a sua boca com sabedoria, e a lei da beneficência está na sua língua.

Olha pelo governo de sua casa, e não come o pão da preguiça.
Levantam-se seus filhos e chamam-na bem-aventurada; seu marido também, e ele a louva.

Muitas filhas têm procedido virtuosamente, mas tu és, de todas, a mais excelente!

Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada.
Dai-lhe do fruto das suas mãos, e deixe o seu próprio trabalho louvá-la nas portas". (Provérbios 31:10-31)

Ao lermos estes versículos acima podemos ver qual é o papel da mulher virtuosa, e qual é a vontade do Senhor para nós servas Dele. Podemos perceber a diferença da mulher virtuosa para a mulher da propaganda.

Amadas a mulher virtuosa não tem nada a ver com as mulheres que o mundo fabrica hoje. Mas infelizmente como sempre digo, a verdade virou mentira, e a mentira virou verdade.

Sempre falo aqui no blog, que vivemos numa sociedade que é contrária a vontade do Senhor para nós mulheres cristãs. Com esse comercial na mídia, muitas mulheres inclusive cristãs vão inculcando em seus corações e mentes que realmente não têm tempo para cuidarem de sua casa e família, e acabam vivendo uma vida como as feministas deste século querem, mas não segundo o que Deus quer!!

A palavra de Deus diz que a mulher virtuosa trabalha de boa vontade, que de longe ela traz o seu pão, que se levanta de madrugada, que olha pelo governo de sua casa, ela é uma mulher que trabalha em favor da sua casa e família. Ao contrário disso a mulher do comercial diz que ela não tem tempo nem para descongelar um frango.

É claro que existem dias que realmente estamos com pouco tempo, e podemos sim recorrer ao que é mais rápido. Mas faço uma pergunta:
Será que conseguimos ficar sem entrar um dia nas redes sociais? Muitas das vezes perdemos horas sem nos edificarmos, e sem edificarmos alguém, ao invés de estarmos arrumando nossas casas, ou preparando uma comidinha gostosa para a nossa família, ou lendo e orando com os nossos filhos.

Mas infelizmente é assim que muitas mulheres têm vivido, tem deixado o papel que o Senhor as designou, e tem vivido papeis que o mundo incutiu em seus corações.

Para confirmarmos mais sobre qual é a vontade do Senhor para nós, veja:

"As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras no bem;
Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos,
A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada". (Tito 2:3-5)

Queridas, não deixem que os conselhos e exemplos de mulheres que não têm o prazer de trabalhar de boa vontade em seus lares, vos corrompam e vos desviem da vontade de Deus!!

Eu amadas, dependendo sempre das misericórdias do Senhor, prefiro ficar com as funções da mulher virtuosa, sei que ainda falta muito para mim chegar a ser uma, mas prossigo para o alvo, pedindo sempre ao Senhor a ajuda Dele.

Quero sempre ouvir do meu esposo e dos meus filhos os versículos escritos abaixo:

"Levantam-se seus filhos e chamam-na bem-aventurada; seu marido também, e ele a louva.

Muitas filhas têm procedido virtuosamente, mas tu és, de todas, a mais excelente!"

Então, vamos ficar com a palavra do Senhor, ou com o que o mundo prega?

Que Deus as abençoe, em nome de Jesus!!

O vídeo da propaganda é esse abaixo:




Não deixem de curtir a nossa página no facebook, onde você estará recebendo mensagens diariamente!!

Mulher Virtuosa de Deus


















"Amada, o nosso bom testemunho de vida cristã começa dentro do nosso lar".
QUAL O PAPEL DO MARIDO E DA MULHER DENTRO DO LAR?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...